Consumo Consciente e Sustentabilidade

Os recursos do mundo estão escassos, uma vez que são consumidos de forma desordenada e sem se projetar a sua permanência no futuro. Atualmente, a sociedade consume o equivalente a 1,25 terras, o que significa que estão consumindo além da capacidade do planeta de produzir e renovar recursos naturais.

A solução para esse consumo desenfreado é a adoção de conceitos e princípios de sustentabilidade. Sustentabilidade nada mais é que o desenvolvimento de ações capazes de satisfazer as necessidades da sociedade sem prejudicar o meio ambiente e sem tirar a oportunidade das gerações futuras em satisfazer as suas.

Dessa forma entendida, a sustentabilidade reflete-se na responsabilidade que cada indivíduo tem em fazer sua parte para a preservação e recuperação do mundo. Tanto empresas, quanto governos e entidades sociais e, principalmente, a sociedade, são responsáveis pelo impacto que seus hábitos de vida e consumo provocam ao ambiente.

Partindo da conscientização de cada indivíduo da sociedade, tem-se a priorização da disseminação do conceito de consumo consciente. Pois, adquirindo a consciência sobre o que se consome o cidadão pode optar por estimular que o mercado, de modo geral, se adapte aos princípios sustentáveis, uma vez que os consumidores ditam o comportamento do mercado.

Vem daí, então, o conceito de consumo consciente, que, simplificado, significa consumir atento ao impacto que determinados produtos e serviços podem causar ao meio ambiente, evitando-os sempre que possível. Isto é, o consumidor consciente reconhece o impacto que suas decisões de compra causa, repercutindo positivamente ou negativamente na sociedade. Isso acontece em dois momentos: no ato da compra e no consumo do resultado dessa compra.

De que forma o consumo consciente contribui? Quando um consumidor opta por adquirir um produto de uma empresa socialmente responsável ele está ajudando a manter a lógica do comércio justo. Caso ele não faça essa opção, está estimulando que esse fabricante ou fornecedor continue praticando ações contra a sustentabilidade. Contudo, a atuação do consumidor consciente não se restringe apenas a escolher fabricantes de produtos sustentáveis, pois, vai desde a reflexão sobre a redução da quantidade de produtos que se necessita adquirir, economia de água e energia, por exemplo, até a reutilização ou reciclagem de produtos que muitas vezes eram considerados como lixo.

Ser um consumidor consciente envolve uma ação cotidiana, que requer uma mudança de hábito sobre as novas práticas que devem ser adotadas. Ser um consumidor consciente é saber que suas ações individuais são capazes de promover transformações no mundo

Anúncios

One Response to Consumo Consciente e Sustentabilidade

  1. Olá, Evelyn

    Recebi seu texto e endereço do blog pelo grupo 3setor.

    Você conhece o SOLTEC UFRJ? Somos um núcleo de pesquisa e extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    Em novembro, estaremos realizando o primeiro Festival de Tecnologias Sociais e Economia Solidária da UFRJ. Neste Festival vamos discutir, num espaço reservado a Troca de Saberes, a Economia Solidária, o Comércio Justo, desenvolvimento sustentável e a aplicação de tecnologias sociais.

    O evento também terá os espaços de Trocas de Cultura e Mostra de produtos, serviços e organizações.

    No momento, estamos identificando e convidando empreendimentos, instituições e pessoas que gostariam de participar. Imagino que você tenha indicações.

    Entre em contato conosco, pelo meu email pessoal ou o email do Festival, que é festivalecosol2008@gmail.com.

    Estarei aguardando.
    Um abraço!

    R:
    Eu tenho alguns contatos sim.
    Contudo, acredito que as organizações que melhor se encaixam nesse perfil é o MOC – Movimento de Organização Comunitária, da cidade de Feira de Santana/BA (http://www.moc.org.br) e a APAEB de Valente/BA (Associação de Pequenos Agricultores do Estado da Bahia) (www.apaeb.com.br), que produz e exporta tapetes de sisal.
    Acho que eles enriquecerão muito o evento.
    O secretário do MOC é Naidson Baptista, membro do Conselho Nacional de Águas e vice-presidente da AP1MC (Associação Programa 1 Milhão de Cisternas), com sede em Recife e atende todo o nordeste, também pode ser uma inidicação.
    O presidente da APAEB Valente é Ismael Oliveira.
    Todos eles trabalham com economia solidária.
    Espero ter ajudado.
    Estou à disposição.

%d blogueiros gostam disto: