O processo de Captação de Recursos

É fato que captar recursos é uma ação necessária para a sobrevivência de organizações sem fins lucrativos. Contudo, o terceiro setor encontra algumas dificuldades para realizar a captação por uma série de fatores. Para amenizá-los as organizações devem seguir alguns passos.

Primeiro, a organização deve considerar a sua missão e objetivos: o que ela faz, para que ela existe. Sabendo disso, a organização precisa definir qual a necessidade de recursos: sejam eles materiais, humanos ou financeiros. Para que se precisa de recursos? Em que esses recursos serão aplicados? Quais os resultados que serão obtidos? Perguntas importantes com respostas que nortearão o plano de captação da instituição.

O próximo passo é a construção do plano de captação, que servirá para guiar a organização na execução de suas atividades. É nele que constarão os objetivos da organização, seus projetos, recursos envolvidos, potenciais financiadores e estratégias de captação.

Sem o plano, os entraves para a captação aumentam, porque a instituição não saberá para que lado olhar ou seguir.

Com o plano de captação em mãos, a organização agora pode se dedicar a colocá-lo em prática. Assim, os financiadores certos para cada projeto serão contatados, os projetos serão desenvolvidos e a probabilidade de sucesso será maior.

Todavia, ainda falta um detalhe: a maioria dos recursos financeiros destinados ao terceiros setor, hoje em dia, é proveniente do setor privado. Para esse setor, algumas informações são relevantes, como, por exemplo, a definição de indicadores de resultados, onde a organização que propõe o projeto deve demonstrar como ele será executado e como o sucesso será medido. Ou seja, quais são as metas do projeto? Em que o recurso será aplicado e qual o retorno pretendido? Retorno aqui é entendido não como retorno financeiro, mas como o impacto que o projeto em que a empresa investiu os seus recursos proporcionará ao público-alvo (pessoas, comunidade) atendido. A prestação de conta dos gastos também é importante, a boa gestão dos recursos definirá a continuidade do financiamento e, consequentemente, a vida do projeto.

Portanto, esses processos devem estar claros para a organização: a construção do plano de captação e a boa relação com a entidade financiadora.

About these ads

56 respostas para O processo de Captação de Recursos

  1. [...] necessidade de mais profissionalização no Terceiro Setor Como escrevi no texto “O processo de captação de recursos”, a maioria dos recursos destinados a execução de projetos sociais está sendo proveniente do [...]

  2. Cleide machado disse:

    Gostaria de montar uma ONG que contemple alguns projetos sociais. Como fazer?

    R: O ultimo texto publicado pode esclarecer suas dúvidas.

  3. Adriana Dias de Oliveira disse:

    Eu pretendo montar um negócio com fins lucrativos, ou seja, é também um projeto social, porém privado.

    R: Se tem fins lucrativos é um projeto de uma empresa e não um projeto social.

  4. RONALDO RENESTO disse:

    GOSTARIA DE SABER COMO FAZER PARA MONTARMOS UMA ONG PARA REALIZARMOS PROJETOS SOCIAIS COMO CONSULTAS MÉDICAS , DENTISTAS, ORTOPEDISTAS, FIZIOTERAPEUTA E SE NÓS PRECISAMOS DE ALGUM DOCUMENTO DO GOVERNO PARA REALIZAR ESSE PROJETO

    R: Para montar uma ONG, talvez o texto “Como montar uma ONG”, disponível no blog, te auxilie.
    Contudo, acredito ser necessário a presença de médicos cadastrados e uma estrutura de atendimento aprovada (de acordo o projeto) para que essa ONG comece a funcionar, por questão da especifidade das atividades.

  5. eliane disse:

    oi, tenho uma duvida voce pode ajudar-me? uma entidade sem fins lucrativo que tem a intenção de montar um projeto para beneficiar a comunidade, mas precisa cobrar uma taxa para manter os cursos (na área de informatica), pode ser classificado como?

    R: A taxa de contribuição/ manutenção pode ser cobrada desde que esteja prevista no projeto e desde que não seja equivalente à cobrança de mensalidade. Essa taxa deve ser efetivamente empreendida no curso, caso contrário gerará a impressão de lucro para a entidade e isso não é legal.

  6. marlei disse:

    gostaria de receber mais informações sobre recursos financeiros para ONGs em captação de recursos,para Crianças.

    R: Há um material distribuído gratuitamente e disponível na Internet que você pode utilizar: Captação de Recursos: da teoria à prática.

  7. alessandro disse:

    GOSTARIA DE INFORMAÇÕES REFERENTES A CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA AMPLIAÇÃO DE PROJETO SOCIAL, JÁ PRESENTE A TRES ANOS EM MINHA COMUNIDADE.
    GRATO

    R: Para captação de recursos você precisa de um projeto para apresentar a potenciais financiadores.
    Nesse projeto deve está clara a conrapartida do projeto e que resultados serão gerados.

  8. Solange Lima Reis Souza disse:

    Gostei muito desse blog, e me interessa muito saber sobre captação de recursos e projetos sociais. Há a possibilidade de trabalhar em uma instituição que acolhe crianças carentes que estudam ,e no período livre frequentam a instiuição passando a manhã ou a tarde aprendendo alguma coisa , pois há estrutura – esporte, marcenaria,costura,artesanato,e várias outras coisas. Caso eles me peçam para fazer um projeto para captação de recursos, como devo começar? Existe alguma forma “padrão” ou sugestão para se conseguir novos financiadores ou aumentar a colaboração dos atuais?

    R: A captação de recursos é feita através de projetos.
    Você deverá mapear potenciais financiadores e adequar o projeto às exigências deles.

  9. vanderlin disse:

    gostaria de montar uma pequena empressa mais não sei como captar recursos atraves do banco do nordeste. por onde devo comerçar?

    R: Para empréstimos a empresa o BNB tem empréstimos especiais. Para obter as informações basta falar com o gerente da agência.

  10. Maro Mannes disse:

    Sou membro de uma ONG de apoio e orientação à adoção de crianças , fundada a quase 07 anos.
    Referente aos recursos, temos muita dificuldade, e diante dos nossos objetivos seria angariar verbas para custear a locação de um imóvel e mão de obra de funcionários na própria entidade. Isso é possivel ? Como fazer? Para que pedir?
    Obrigado pela atenção

    R: Para conseguir recursos para qualquer que seja o objetivo, a ONG precisa de um projeto social para apresentar a potenciais parceiros e financiadores. Nesse projeto deve haver os objetivos, recursos necessários e resultados esperados, principalmente, justificando a importância da organização e do apoio dos financiadores.
    Você deve fazer um mapeamento de potenciais financiadores e apresentar o projeto para eles.

  11. espero um contato!

    R: Está em busca de uma parceria??
    Podemos conversar.

  12. soraia - DF disse:

    Eveliny gostei muito desse blog, já te mandei uma mensagem perguntando sobre a creche, mas dando uma olhadinha vi que posso aproveitar para fazer outras perguntas.
    Meu sonho é ter uma creche pois sou professora desde os 12 anos de idade, pensei numa sem fins lucrativos, mas gostaria de saber se eu posso ter uma empresa desse ramo com objetivo de atender crianças carentes e mesmo assim captar recursos atravé de doações e de convenios, seria possível? me tire esta dúvida por favor.

    R: Infelizmente, não tenho as informações que deseja. Mas, talvez você consiga no Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente da sua cidade.
    Para captar recursos de doações e convênios, precisa ser uma organização sem fins lucrativos.

  13. sou presidente de uma associaçao rural no interior do Ceara,gostaria de saber como receber projetos para minha entidade?Fui informado quer seria muito bom um apoio de uma ong.feliz 2009 e aguardo anciosamente uma resposta

    R: Se você é presidente de uma associação, esta instituição já é considerada uma ONG por ser sem fins lucrativos. Para conseguir recursos, sugiro buscar informações na prefeitura da sua cidade para saber que projetos vocês podem apresentar a fim de ter acesso a alguns recursos financeiros.

  14. giani correa disse:

    to montando um projeto de inclusão social através do esporte, ond empresas custearão as despesas das crianças.Pergunto, no orçamento posso colocar verbas para pagar os profissioanis que executarão o projeto????

    R: Você pode e deve colocar as verbas destinadas a custeio de pessoal.

  15. Sou Cordenadora de associação civil,pessoa juridica de direito privado, sem fins lucrativos com prazo e duração indeterminado com sede
    administrativa em bento Gonçalves
    porem minha Coordenação é São Paulo e preciso de recursos para difundir Cultura,como musica dança, palestras, enfim incentivar,realizar,promover e divulgar eventos Culturais,tais como congresso literários,seminários festivais de artes de teatro,edição de livros revistas Jornais e outras atividades congêneres. o problema
    é que não sei como captar recursos para trabalhar.
    Gostaria de ajuda
    abraços Dora

    R: A captação de recursos acontece através do desenvolvimento de um projeto e de um plano de captação de recursos que nortearão as ações da instituição. Caso queira, posso enviar uma proposta.

  16. Marcus Arreguy disse:

    Ola,

    Tenho me dedicado a algum tempo em treinar e qualificar pesssoas em restaurantes e hotel.Gostaria de informações de como montar um projeto social.Sou chefe de cozinha e tenho experiencia em qualificar pessoas que nunca trabalharam na area.Hoje , tenho um restaurante no esp.santo e tenho muita vontade de montar uma ONG.Seria para area de hotelaria e gastronomia,podendo se estender a secretárias do lar.
    aguardo retorno.Não tenho interesse financeiro e sim social.

    R: Você leu os textos “Como montar uma ONG” e “Como montar um projeto social” disponíveis no blog? Acredito que possam ajudar bastante.

  17. Pe. Francisco Serra disse:

    Queremos pedir recursos no exterior para montar uma fábrica de plástico extrusado, para tirar os jovens da rua, das drogas. Como fazer esse projeto?
    Agradecemosa atenção e a ajuda. Queremos incluir nesse projeto a Casa de Maria, que dá almoço todos os dias para 120 pessoas pobres.Como fazer? Deus os abençõe! Pe. Francisco

    R: Para pedir recursos no exterior é necessário um projeto bem estruturado e justificado. Leu o texto “Como montar um projeto social”? Lá tem dicas interessantes.
    Porém, para desenvolver o projeto é necessário saber para quais possíveis financiadores será encaminhado o projeto, pois cada financiador pode ter uma exigência específica. Esse é o primeiro passo: mapeamento dos potenciais financiadores.

  18. Mônica Silva disse:

    Olá, Evelyne!
    Antes de qualquer coisa quero dizer que gostei muito do blog, mas vamos ao que interessa.
    Trabalho em uma ong que me contrarou para captar recursos, não tenho nenhuma experiência na área, mas pelo que pesquisei, percebi que a organização deveria ter um projeto próprio, ou estou enganada?
    Já que a mesma desenvolve um projeto elaborado pelo governo estadual que inclusive é seu único parceiro.
    Não será quase impossível conseguir parcerias?
    Você pode me dar alguma luz?!
    Por favor, se possível me responda por e-mail

    R: Como você disse, a ONG precisa de um projeto próprio, ter sua missão e objetivos bem claros para que você consiga os parceiros. Mas, há quem apoie projetos que tenham recursos do governo também.

  19. Caroline B. Matias disse:

    Olá,

    Me chamo Caroline, sou estudante de Administração com Hab. em Comércio Exterior, trabalho numa prefeitura da região sul de SC, no setor de captação de recursos.
    Estou na última fase da faculdade e estou elaborando minha monografia relacionada do tema “Captação de Recursos” para orgãos públicos.
    Porém, estou com dificuldade de encontrar livros, artigos, textos que falem sobre isso. O que eu preciso é fundamentar a captação de recursos.
    Explicar o processo. Falar da celebração de convênios/contratos.

    Encontrei seu site pesquisando na internet e gostaria de saber se você pode me ajudar com meu tema, ou seja, se você poderia me passar nomes de livros ou artigos que eu possa estar lendo e assim consiga elaborar meu projeto.

    Agradeço desde já,

    Caroline

    R: Para seu trabalho acho que o material chamado “Captação de Recursos – da teoria à prática” pode te ajudar. Está disponível na Internet para download, é só procurar no Google.

  20. Mabli Porto disse:

    Olá! Gostaria de saber como montar um projeto social, se puder mandar alguns exemplos agradeço, e como conseguir recursos para o projeto.
    Desde já Agradeço.
    Mabli

    R: Já leu o texto “Como montar um projeto social” disponível no blog? Você conseguirá as informações que precisa lá.

  21. Boa Tarde, como citado acima meu nome é Julio, tenho uma empresa de locação de locação de brinquedos para festas e eventos, porém sinto a necessidade de fazer algo a mais, gostaria de criar alguns programas para a comunidade, hoje em parceria com uma associação judaíca localizada em higienópolis realizo um programa aonde levo meus equipamentos a um custo bem abaixo do mercado menos da metade do preço e crianças do Graac vão e brincam por 01 ou 02 horas uma vez que não podem ficar muito tempo fora do hospital, minha idéia é criar algo a mais levar essa iniciativa para outras creches e escolas, sendo patrociando, pois tenho o custo da nota fiscal, logistica e funcionários, outra idéia que tenho e criar uma grande tela de cinema inflável e passar uma sessão de cinema nas escolas da periferia e também com patrocinio e doação criar um terceiro projeto denominado literatura itinerante aonde um caminhão seria todo adesivado com os patrocinadores e distribuiria livros para as escolas, ficando e exposto durante uma semana, ano passado foi ano de machado de assis, nosso objetivo seria divulgar isso suas obras incentivando a leitura, o nome do projeto seria projeto cultural agricultura do saber (plantando alegria e cultura; Colhendo cidadãos), como posso iniciar esse projeto? Alguem pode me ajudar?

    R: Você leu o texto “Como montar um projeto social”? Ele pode te ajudar a desenvolver o projeto que será apresentado aos parceiros necessários para colocar a sua ideia em prática. Esse projeto pode ser apresentado não só a empresas como para a Secretaria de Educação do seu município e do estado para ampliar a outras cidades.

  22. antonio lobato coutinho disse:

    sou presidente de uma associação de veteranos, sem fins lucrativos, e trabalhamos varios projetos sociais mantidos por nossos associados. Esta associação esta toda legalizada, gostaria de saber se para captar recursos eu precisaria mudar o estatuto da associação para ong ou oscip?

    R: Para receber doações basta ser registrada como associação sem fins lucrativos. Ong é apenas uma definição que caracteriza todas as organizações sem fins lucrativos. Contudo, se a sua associação deseja firmar parcerias com o governo federal ou estado é necessário ter o título de OSCIP.

  23. anderson fortes disse:

    ola gostaria de saber se existe alguma forma de analizar projetos audio visuais voltados para cineclube ou seja que o cine clube possa desenvolver em parceria de seus socios.

    uruguaiana rs .

    R: Já tentou ler sobre a lei do audio-visual do Ministério da Cultura? Pode ser útil para você.

  24. anderson fortes disse:

    temos um cine clube e gostariamos de saber que leis municipais podem apoiar com verbas mensais para projetos voltados para a comunidade em geral.

    uruguaiana rs

  25. APARECIDA ZEGGIO disse:

    quero montar uma assossiação de mulheres em atibaia, pois nesta cidade as mulheres não tem uma Delegacia da Mulher e todas as vezes que saõ vitimas de seus algoes são humilhadas pelos plantões de uma D. P., pela falta de preparo dos escrivões e delegados, queira me ajudar pois tenho Advogadas engaixadas no projetos e queremos dar suporte psicologicos e amparo Judiciais a estas sofredoras mulheres.

    grata
    cida

    R: Sugiro a leitura de dois textos disponíveis no blog: o primeiro é “Como montar uma ONG” e o segundo “Como montar um projeto social”. Acho que irá te ajudar bastante.

    • Ricardo Vieira disse:

      Boa noite,
      sou consultor contábil e fiscal para ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS. Sou CONTADOR, especializado no 3º setor com mais de 17 anos de experiência e muita vivência na contabilidade social que é muito especifica e deve ser bem transparente. Atuo também na parte fiscal com domínio de incentivos fiscais.

      Caso precise dos meus serviços ligue: (21) 8893-6084

  26. VANDER ONOFRE disse:

    vou trabalhar no setor de projetos da prefeitura…
    gostaria de saber a respeito de como fazer um curso, para montar projetos de captação de recursos para prefeituras, com eficiencia e dinamismo que requer o setor hoje on line…aguardo uma resposta, se possível. grato. Vander.

    R: No site da DEARO (www.dearo.com.br) você poderá encontrar os cursos que deseja.

  27. SIMONE disse:

    GOSTARIA DE SER SABER DE CURSOS E MATERIAIS PARA MONTAR PROJETO DE CAPTAÇAO DE RECURSO PARA PREFEITURAS, QUERO APROFUNDAR NESTA AREA.

    GRATA

    R: Você pode acessar o site da DEARO (www.dearo.com.br) ou ADETS (www.adets.org.br) e verificar a disponibilidade de cursos.

  28. IARA ALMEIDA REBELATO disse:

    GOSTARIA DE SABER DE CURSOS E MATERIAIS PARA MONTAR PROJETOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSO PARA UMA INTITUIÇÃO FILANTROPICA NA AREA DE SAUDE

  29. Márcia disse:

    EVELYNE,
    Procuro um curso sério e consistente sobre elaboração de projetos e captação de recursos, você poderia me indicar alguns?
    Abraço.

  30. Fellipe disse:

    Bom dia,

    Tenho um projeto social que em contrapartida já está pronto para entrar em atividades, porém , falta um plano para captação de recursos e um modelo de contrato entre partes interessadas.Amigo, eu gostaria de receber uma proposta para captação de recursos e um modelo de contrato, se possível for!.

  31. Estou montando um projeto socila aqui em Macau RN,já está quase tudo pronto, mais preciso de patrocinadores para o primeiro passo que é alugar um imovel, dai acredito que será mais facil apartir do inicio. Ai vai o modelo do site do projeto.

  32. Deusdete Filho disse:

    Quero parabenizar vocês pelo site e pelas idéias, artigos e sugestões. Abraço.

  33. Marinei Marques disse:

    Bom Dia. Trabalho numa Instituição em um programa Familia social, onde se fez necessário a elaboração de Projeto Social voltado a jovens adolescentes de uma comunidade carente ainda em fase de discussões
    “Inclusão Digital”. Já possuimos um convenio com a Prefeitura Municipal pela lei 4236/97. Minha pergunta: Essa verba deve constar nesse Projeto Social, pois devem ser direcionadas a projetos diferentes? Também aproveito para parabenizar por esse espaço, sanando nossas dúvidas. Att

    R: Se a verba é para projetos diferentes, não há necessidade de figurar no projeto. Deveria aparecer no projeto se fosse utlizado para a mesma finalidade, e seria representando os recursos de outras parcerias, mas esse não seria o caso.

  34. Ola, gostaria de receber via e-mail editais de projetos sociais que contemplem a regiao norte.

    Obrigada

  35. marcos antonio ramos disse:

    gostaria de montar um projeto social na região do vale do são francisco (NE), para isso gostaria de saber que passos devo tomar, que orgãos governamentais estão interessados em ajudar e capacita.

    R: Acredito que o texto “Como montar um projeto social” disponível no meu blog poderá ajudar.
    Não tenho conhecimento de edital específico para a região, mas, dependendo da área do seu projeto há vários editais abertos.

  36. iracemaeliascunha disse:

    gostaria de orientaçoes como conseguir recurssos para montar um projeto para adolescentes

    R: Para conseguir recursos, você precisa, primeiro, ter o projeto no papel com os objetivos, resultados e orçamento. Depois, mapear os potenciais parceiros e apresentar o projeto.

  37. Paulo Carollo disse:

    Olá, gostaria de montar uma ONG para preparar jovens e adultos carentes para o ENEM, vestibulares em Universidades Públicas e EJA.
    Como proceder para montar essa ONG?
    Podes enviar algum modelo de projeto de captação para a educação?
    Quantos integrantes devemos ter?
    Será necessário registrar todos os colaboradores?

    Obrigado por ajudar.

    R: No texto “Como montar uma ONG” terá as informações que precisa.
    Não tenho modelos de projetos para enviar. No Banco de Ideias existem projetos semelhantes que você poderá pesquisar.
    Você precisa ter o número de pessoas necessárias para compor a diretoria, de 3 a 7 pessoas.
    Os colaboradores que precisam de registro são aqueles que serão funcionários. Em todo caso, associados são cadastrados e voluntários precisam de um contrato de voluntariado.

  38. Robson Aciole disse:

    Olá!
    Estou concluindo um projeto de capacitação profissional que proporcionará formação gratuita para jovens em procura do primeiro emprego e desempregados.
    Este projeto contará com a participação de uma ONG, do poder público, Associações Civis e Iniciativa Privada.
    Necessito saber se há incentivos fiscais para os parceiros privados na doação e/ou comodato de equipamentos e insumos.

    R: Há incentivos fiscais para o caso de doações feitas por empresas e comodato por parte de órgãos públicos. Há um link no blog que trata sobre isso: “Incentivos Fiscais”.

  39. Erica Aranha disse:

    Um amigo meu está montando uma ONG nos Estados Unidos e me pediu para enviar-lhe um projeto a fim de que ele possa está me disponibilizando recursos para atender as crianças carentes daqui.
    Estive pensando em executar um trabalho que valorize a cultura afro na minha cidade. Meu problema é que nao sei que tipo de projeto devo enviar. Ele também está engatinhando nesse assunto. Me ajude!!!

    R: Você leu o texto “Como montar um projeto social” disponível no blog? Poderá ser muito útil.

  40. sonia vieira de sousa santos disse:

    Registrei uma ong,chamada -IGOS -Instituto Goiano de solidariedade,que visa dar cursos profissionalizantes tais como musica, dança,artesanato,culinaria ,judo,reforço escolar, noções de meio ambiente e cidadania para crianças,adolescente e mulheres,ainda distribuimos alimentos,roupas e brinquedos, ainda promovemos palestras contra drogas e noções de saude.
    mas tem sido dificil captar recursos,preciso de um plano
    me ajude eu só quero fazer um bom trabalho pra minha coletividade.
    atenciosamente
    missionaria sonia

  41. Eduardo disse:

    Temos um projeto social, que atende uma comunidade carente em Belo Horizonte, só que é fica tudo muito por nossa conta, quando necessitamos de algo, ponho a mão no bolso e faço, estamos tentando captar doações de empresas, só que não sei o que é necessario para isso, tipo tenho que registrar uma ONG? Que vantagem além de ajudar a empresa terá? Não tenho um ponto de partida. Gostaria de um suporte.

  42. JAD JOÃO DE SOUZA disse:

    GOSTARIA DE OBTER INFORMAÇÕES SOBRE FORMULAS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA FEIRAS DE TECNOLOGIA PARA A AGRICULTURA FAMILIAR, BEM COMO MODELOS DE CONSULTORIA E ASSESSORIA DESTA MODALIDADE DE EVENTOS.

  43. JAD JOÃO DE SOUZA disse:

    GOSTARIA DE OBTER INFORMAÇÕES SOBRE FORMULAS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA PROJETOS SOCIAIS EM UMA SECRETARIA DA MULHER.

  44. JAD JOÃO DE SOUZA disse:

    GOSTARIA DE ENCONTRAR UMA CONSULTORIA PARA CORREGIR E REGISTRAR OSCIP. MODELO DE ESTATUTO ANEXO.

    Modelo de Estatuto

    :

    ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE
    INTERESSE PÚBLICO / OSCIP

    Capítulo I – DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

    Art. 1º. – A OSCIP – ENTIDADE DE SOCIEDADE CIVIL PARA ASSISTENCIA SOCIAL – PETROLINA PERNAMBUCO BRASIL, também designada pela sigla, ESCAS-PPB, constituída em 01 de Setembro de 2009, é uma entidade de pessoa jurídica, de direito privado, sem fins lucrativos, com objetivos para a Assistência Social, com autonomia administrativa e financeira, duração por tempo indeterminado, regendo-se por este Estatuto e pela legislação específica das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIPs, Lei 9.790/99 – Ministério da Justiça – e pelas normas complementares que venham a ser editado pelos órgãos competentes, nos limites das suas atribuições, com sede no município de Petrolina Estado de Pernambuco, País- Brasil, e foro também em Petrolina-PE.

    Art. 2º. – A ESCAS-PPB tem por finalidades de Assistência Social, voltadas para o alcance dos objetivos sociais com ações de Serviços Múltiplos: Sociais, humanitárias, educacionais, culturais, filantrópicas, tecnológicas, científicas e de desenvolvimentos institucionais, com ênfase na Solidariedade, Humanização, Cidadania e Ressocialização:
    OBJETIVOS SOCIAIS GERAIS:
    I. Promoção da assistência social;
    II. Execução programas de qualificação profissional do trabalhador e a inclusão da pessoa portadora de deficiência no mercado de trabalho através da educação, do resgate de conhecimentos tradicionais, do artesanato, do saber científico, da democratização e acesso à tecnologia de informação;
    III. Promoção da geração de trabalho e renda comunitários, através do ensino de práticas produtivas cooperativistas e associativistas de valor cultural e/ou econômico;
    IV. Fomento de ações que contribuam para manter viva a memória cultural popular relacionada com os usos, costumes e tradições da diversidade cultural brasileira, promoção da arte circense, teatral, musical e cultural em defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico;
    V. Promoção de intercâmbio com entidades científicas, de ensino e de desenvolvimento social, nacionais e internacionais, bem como o desenvolvimento de estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos;
    VI. Execução de serviço de radiodifusão sonora, com finalidade educativa, artística, cultural e informativa, respeito aos valores éticos e sociais, em benefício do desenvolvimento geral da comunidade, mediante concessão, permissão ou autorização de exploração de radiodifusão comunitária de acordo com a legislação específica. Atraindo e viabilizando meios de comunicação comunitários: jornal, rádio e televisão, das informações, idéias, elementos de cultura, tradições e hábitos sociais da comunidade, propagando a música nacional, além do intercâmbio entre os aspectos culturais das várias comunidades organizadas;
    VII. Promoção da assistência social às minorias e excluídos, desenvolvimento econômico e combate à pobreza, gerando oportunidades às famílias pobres em situação de vulnerabilidade social;
    VIII. Promoção gratuita da educação e da saúde incluindo prevenção de HIV-AIDS, DST e consumo de drogas;
    IX. Preservação, defesa e conservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável;
    X. Promoção do voluntariado, de criação de estágios, repasses de doações de bolsas de estudos e colocação em treinando e no mercado de trabalho;
    XI. Experimentação, não lucrativa, de novos modelos sócio-produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito;
    XII. Promoção de direitos das pessoas portadoras de necessidades especiais e com deficiências múltiplas, dos direitos da mulher e da criança, assessoria jurídica gratuita e combate a todo o tipo de discriminação sexual, racial e social, trabalho forçado e infantil, e de interesse suplementar;
    XIII. Promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais;
    XIV. Promoção de a segurança alimentar e nutricional;
    XV. Apoiar, assessorar e prestar consultorias nas áreas de execuções e desenvolvimentos das gastronomias, hotelaria e turismo;
    XVI. Desenvolver atividades de assistência técnica e social na agropecuária;
    XVII. Desenvolver projetos poli-esportivos com atividades de entretenimentos, esportes, turismo, e lazer;
    XVIII. Promover e produzir eventos: culturais, religiosos, feiras, exposições, agrishows, convenções, congressos, shows, seminários, palestras, workshop, eventos educativos ou científicos; estético, histórico, turístico, paisagístico, e de outros interesses difusos e coletivos;
    XIX. Apoiar povos indígenas, quilombolas e ciganos;
    XX. Prestar serviços de seguranças públicas e privadas;
    XXI. Capacitar, desenvolver e apoiar as atividades assistenciais e culturais, voltadas para as organizações das comunidades de acampamentos, assentamentos e reassentamentos de perímetros irrigados e irrigáveis;
    XXII. Prestar assistências jurídicas, sociais, psicossociais e desenvolver serviços de ressocialização nos órgãos prisionais, com trabalhos humanitários e serviços sócio-educativos aos reeducando prisionais;
    XXIII. Cadastrar-se nos Sistemas de Convênios – SINCOVs, Conselho Nacional de Assistências Sociais – CNAS e Conselhos Municipais de Assistência Sociais – CMAS, dos órgãos federais, distritais, estaduais e municipais, para cadastrar e alimentar sistemas eletrônicos de convênios com informações e projetos técnicos específicos;
    XXIV. Desenvolver projetos, pesquisas e o desenvolvimento para a implantação política nacional de recursos hídricos;
    XXV. Produção de recursos técnico-científicos, consultoria e assessoria técnica para elaboração e execução de projetos técnicos específicos;
    XXVI. Incentivar e promover a criação e o desenvolvimento de pólos industriais, comerciais e de serviços, ao desenvolvimento dos arranjos produtivos locais (APL), para que se reúnam num determinado espaço geográfico os micros, pequenos e médios empreendedores, empresas e instituições voltadas para o setor produtivo;
    XXVII. Promover debates e fomentar ações para o desenvolvimento econômico e social dos setores: portuário, aeroportuário, hidroviário, rodoviário, ferroviário;
    XXVIII. Apoiar o empreendedorismos ecológicos;
    XXIX. Promover, desenvolver, avaliar e executar projetos de fonte alternativa de energia, gerada a partir de pequenas centrais termoelétricas, hidrelétricas, biomassa, eólica, óleos vegetais, Bio Combustíveis e projetos de energia alternativa;
    XXX. Incentivar, promover e desenvolver projetos de coleta e reciclagem de resíduos recicláveis, que contenham substâncias ou formulações prejudiciais à saúde humana ao meio ambiente;
    XXXI. Incentivar, promover e desenvolver projetos com base em práticas de manejo sustentável, de manejo florestal e recursos naturais da floresta, jazidas de minérios, ecoturismo e agricultura orgânica;
    XXXII. Construção de edifícios; reformam de escolas, faculdades, universidades, colégios, creches e outros edifícios destinados ao ensino;
    XXXIII. Construção e reforma de estradas e rodagens, barragens, açudes, barreiros e aguadas, facilitando o acesso e aos acúmulos hídricos;
    XXXIV. Contratação de mão-de-obra temporária para serviços gerais (limpeza, merendeira, auxiliares administrativos, pedreiro, carpinteiro e similares);
    XXXV. Fabricação de conservas de frutas;
    XXXVI. Gestão, assessoria, consultoria, orientação e assistência prestadas ao sistema e ao processo educacional;
    XXXVII. Gerenciar, operacionalizar e administrar imóveis públicos e de terceiros;
    XXXVIII. Locação de aluguel de autos de passeio sem motorista;
    XXXIX. Produção e promoção de eventos festivos e esportivos;
    XL. Desenvolvimento e produção de programas de informática;
    XLI. Regulação, controle, definição de política e coordenação de esporte e lazer, administração, federal, estadual e municipal;
    XLII. Transporte escolar municipal e intermunicipal;
    XLIII. Estimular a participação através de convênios com entidades públicas e privadas a inserção no primeiro emprego e integração social e econômica dos portadores de necessidades especiais e de pessoas que integram a faixa da terceira idade;
    XLIV. Firmar contratos, acordos, ajustes e convênios com câmaras de comércio exterior e com agências de promoções de exportações (APEX) para fomento às exportações;
    XLV. Estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às necessidades das atividades dos objetivos sociais;
    XLVI. Experimentação sem fins lucrativos de novos modelos sócio-produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito;
    XLVII. A criação de outras associações, organizações não governamentais, em outras regiões do país e do exterior, inclusive através da mobilização de entidades governamentais e organizações não-governamentais nacionais e internacionais;
    XLVIII. Elaborar convênios, contratos, parceria, ajustes ou acordos, utilizar recursos próprios e obtidos em instituições financeiras, em forma de empréstimos e/ou doações oriundos de entidades e organizações públicas e privadas, nacionais e estrangeiras, para desenvolver os seus objetivos;
    XLIX. Colaborar com órgãos públicos federais, distritais, estaduais, e municipais, bem como, com instituições privadas nacionais e internacionais;

    Parágrafo primeiro: São entendidas como OSCIPs as entidades que, em atendendo diretamente ao público, possuam uma ou mais das seguintes finalidades: promoção da assistência social; promoção da cultura; promoção da educação; promoção da saúde; promoção da segurança alimentar e nutricional; promoção do voluntariado; promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; apoio à geração de emprego e renda; promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros direitos universais;

    Parágrafo segundo: A OSCIP gozará de autonomia financeira, técnica e administrativa, nos termos da lei e deste estatuto, inclusive em relação a seus instituidores, não sujeita a falência, constituída para prestar serviços aos associados e pessoas que se distingam das demais, nas sociedades pelas suas características sociais, bem como, comunidades e pessoas que sejam reconhecidas como classificados na categoria de pobreza, vulnerabilidade e miserabilidade, familiares e parentas de presos, condenados e provisórios, com profissão ou liberais, permanentes ou eventuais;

    Parágrafo terceiro: Características, como associados àqueles que celebram convenções de solidariedade e sociedades múltiplas;

    Parágrafo quarto: A OSCIP, para concretização de seus objetivos, poderá atuar diretamente ou através de convênios, contratos, parceria, ajustes ou acordos, utilizar recursos próprios e obtidos em instituições financeiras, em forma de empréstimos e/ou doações oriundos de entidades e organizações públicas e privadas, nacionais e estrangeiras;

    Parágrafo quinto: A OSCIP terá os objetivos identificados conforme códigos de classificação nacional de atividades econômicas – CNAE – fiscal, utilizados para contratos e prestações de serviços.

    Parágrafo sexto: A OSCIP não distribui entre os seus sócios ou associados, conselheiros, diretores, empregados ou doadores eventuais excedentes operacionais, brutos ou líquidos, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio, auferidos mediante o exercício de suas atividades, e os aplica integralmente na consecução do seu objetivo social.

    Parágrafo sétimo: Para a consecução de suas finalidades, poderão convencionar-se, desde que se regem, pelo presente ESTATUTO e pela Legislação aplicável.

    Art. 3º – No desenvolvimento de suas atividades, a (o) ______________(entidade) atenderá a observância dos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência e não fará qualquer discriminação de raça, cor, sexo ou religião e partido político.

    Parágrafo Único – A (O)_______________ (entidade) se dedica às suas atividades por meio____________________ (forma pela qual exerce suas atividades: execução direta de projetos, programas ou planos de ações, por meio da doação de recursos físicos, humanos e financeiros, ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuam em áreas afins). (Lei 9.790/99, parágrafo único do art. 3º).

    Art. 4º – A (O) _____________________________(entidade) disciplinará seu funcionamento por meio de Ordens Normativas, emitidas pela Assembléia Geral, e Ordens Executivas, emitidas pela Diretoria e terá um Regimento Interno que aprovado pela Assembléia Geral, disciplinará o seu funcionamento.

    Art. 5º – A fim de cumprir sua(s) finalidade(s) a instituição se organizará em tantas unidades de prestação de serviços, quantas se fizerem necessárias, as quais se regerão pelas disposições estatutárias.

    Capítulo II – DOS SÓCIOS

    Art. 6º – A (O) _________________________________(Entidade) é constituída (o) por número ilimitado de sócios, distribuídos nas seguintes categorias: ______________________________(fundador, benfeitor, honorário, contribuintes e outros).

    Art. 7º – São direitos dos sócios quites com suas obrigações sociais:
    I – votar e ser votado para os cargos eletivos;
    II – tomar parte nas Assembléias Gerais

    Art. 8º – São deveres dos sócios:
    I – cumprir disposições estatutárias e regimentais;
    II – acatar decisões da Diretoria;

    Art. 9º – Os sócios não respondem, nem mesmo subsidiariamente, pelos encargos da Instituição.

    Capítulo III – DA ADMINISTRAÇÃO

    Art. 10 – A (O) __________________(entidade) será administrada (o) por:
    I – Assembléia Geral;
    II – Diretoria;
    III – Conselho Fiscal.

    Parágrafo Único: A Instituição não remunerar seus dirigentes para ter acesso a certos incentivos e benefícios, para os quais a legislação em vigor exige a não remuneração dos dirigentes expressa no estatuto:
    a) Concorrer ou manter a Declaração de Utilidade Pública e o Certificado de Fins Filantrópicos;
    b) Requerer o registro no Conselho de Assistência Social;
    c) Ter isenção do pagamento da parte patronal do INSS, quando houver contrato de trabalho;
    d) Ficar isenta do Imposto de Renda, ou seja, a entidade terá que fazer a declaração, cujo pagamento ocorrerá apenas nas situações em que o imposto for devido.

    Art. 11 – A Assembléia Geral, órgão soberano da Instituição, se constituirá dos sócios em pleno gozo de seus direitos estatutários

    Art. 12 – Compete à Assembléia Geral:
    I – eleger a Diretoria e o Conselho Fiscal;
    II – decidir sobre reformas do Estatuto;
    III – decidir sobre a extinção da entidade, nos termos do artigo 32;
    IV – decidir sobre a conveniência de alienar, transigir, hipotecar ou permutar bens patrimoniais;
    V – aprovar o Regimento Interno;
    VI- emitir Ordens Normativas para funcionamento interno da Instituição;

    Parágrafo primeiro: A Instituição não remunera, sob qualquer forma, os cargos de sua Diretoria e do Conselho Fiscal, bem como as atividades de seus sócios, cujas atuações são inteiramente gratuitas. (Lei 9.790/99, inciso VI do art. 4º).

    Parágrafo segundo: A Instituição contratará prestação de mão-de-obra terceirizada daqueles que prestam serviços específicos, respeitando, os casos e os valores praticados no mercado na região onde exerce suas atividades, conforme os princípios fundamentais de contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade;

    Art.13 – A Assembléia Geral se realizará, ordinariamente, uma vez por ano para:
    I – apreciar o relatório anual da Diretoria;
    II – discutir e homologar as contas e o balanço aprovado pelo Conselho Fiscal;
    III – aprovar a proposta de programação anual da Instituição, submetida pela Diretoria.

    Art. 14 – A Assembléia Geral se realizará extraordinariamente, quando convocada;
    I – pela Diretoria;
    II – pelo Conselho Fiscal;
    III – por requerimento de ______(número) sócios quites com as obrigações sociais.

    Art. 15 – A convocação da Assembléia Geral será feita por meio de edital afixado na sede da Instituição e/ou publicado na imprensa local, por circulares e outros meios convenientes, com antecedência mínima de ______dias.

    Parágrafo Único – Qualquer Assembléia se instalará em primeira convocação com a maioria dos sócios e, em segunda convocação, com qualquer número.

    Art. 16 – A Instituição adotará práticas de gestão administrativas, necessárias e suficientes, a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios e vantagens pessoais pelos dirigentes da entidade e seus cônjuges, companheiros e parentes colaterais ou afins até terceiro grau e ainda pelas pessoas jurídicas dos quais os mencionados anteriormente sejam controladores ou detenham mais de dez por cento das participações societárias, em decorrência da participação nos processos decisórios. (Lei 9.790/99, inciso II do art. 4º)

    Art. 17 – A Diretoria será constituída por um Presidente, um Vice-Presidente, Primeiro e Segundo Secretários, Primeiro e Segundo Tesoureiros.

    Parágrafo Único – O mandato da Diretoria será de 04 (quatro) anos, sendo vedada mais de uma reeleição consecutiva.

    Art. 18 – Compete à Diretoria:
    I – Elaborar e executar programa anual de atividades;
    II – elaborar e apresentar á Assembléia Geral o relatório anual;
    III – reunir-se com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em Atividades de interesse comum;
    IV – contratar e demitir funcionários;
    V – elaborar e submeter à Assembléia Geral a proposta de programação anual da Instituição;
    VI – regulamentar as Ordens Normativas da Assembléia Geral e emitir Ordens Executivas para disciplinar o funcionamento interno da Instituição;

    Art. 19 – A diretoria se reunirá no mínimo uma vez por mês.

    Art. 20 – Compete ao Presidente:
    I – representar a (o) ___________________(entidade) judicial e extra-judicialmente;
    II – cumprir e fazer cumprir este Estatuto e o Regimento Interno;
    III – presidir a Assembléia Geral;
    IV – convocar e presidir as reuniões da Diretoria;
    V – Ordenar pagamentos e assinar, contratos, cheques, recibos e notas fiscais;
    VI – Controlar os livros de escrituração da Instituição;
    VII – Fazer relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas, emitindo pareceres para os organismos superiores da entidade;
    VIII – apresentar relatórios de receitas e despesas, ao Conselho Fiscal e sempre a quem forem solicitados;

    Art. 21 – Compete ao Vice-Presidente:
    I – Substituir o Presidente em suas faltas ou impedimentos;
    II – assumir o mandato, em caso de vacância, até o seu término;
    III – prestar, de modo geral sua colaboração ao Presidente.

    Art. 22 – Compete ao Primeiro Secretário:
    I – Secretariar as reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral e redigir as atas;
    II – publicar todas as notícias das atividades da entidade.
    (outras que julgar necessárias)

    Art. 23 – Compete ao Segundo Secretário:
    I – Substituir o Primeiro Secretário em suas faltas ou impedimentos;
    II – assumir o mandato, em caso de vacância, até o seu término;
    III – prestar, de modo geral, a sua colaboração ao Primeiro Secretário.

    Art. 24 – Compete ao Primeiro Tesoureiro:
    I – arrecadar e contabilizar as contribuições dos associados, rendas, auxílios e donativos, mantendo em dia a escrituração da Instituição;
    II – pagar as contas autorizadas pelo Presidente;
    III – apresentar relatórios de receitas e despesas, sempre que forem solicitados;
    IV – apresentar ao Conselho Fiscal a escrituração da Instituição, incluindo os relatórios de desempenho financeiros e contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas;
    V – conservar, sob sua guarda e responsabilidade, os documentos relativos á tesouraria;
    VI – manter todo o numerário em estabelecimento de crédito.

    (outras julgadas necessárias)

    Art. 25 – Compete ao Segundo Tesoureiro:
    I – substituir o Primeiro Tesoureiro em suas faltas e impedimentos;
    II – assumir o mandato, em caso de vacância, até o seu término;
    III – prestar, de modo geral, sua colaboração ao Primeiro Tesoureiro.

    Art. 26 – O Conselho Fiscal será constituído por______ membros e seus respectivos suplentes, eleitos pela Assembléia Geral.
    § 1º O mandato do Conselho Fiscal será coincidente com o mandato da Diretoria;
    § 2º Em caso de vacância, o mandato será assumido pelo respectivo suplente, até o seu término.

    Art. 27 – Compete ao Conselho Fiscal:
    I – examinar os livros de escrituração da Instituição;
    II- opinar sobre os balanços e relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas, emitindo pareceres para os organismos superiores da entidade; (Lei 9.790/99, inciso III do art. 4º)
    III – requisitar ao Primeiro Tesoureiro, a qualquer tempo, documentação comprobatória das operações econômico-financeiras realizadas pela Instituição;
    IV – acompanhar o trabalho de eventuais auditores externos independentes;
    V – convocar extraordinariamente a Assembléia Geral;
    VI – apresentar relatórios de receitas e despesas, sempre que forem solicitados;

    Parágrafo único – O Conselho Fiscal se reunirá ordinariamente a cada ____ meses e, extraordinariamente, sempre que necessário.

    Capítulo IV – DO PATRIMÔNIO

    Art. 28 – O patrimônio da (o) ______________________(entidade) será constituído de bens móveis, imóveis, veículos, semoventes, ações e títulos da dívida pública.

    Art. 29 – No caso de dissolução da Instituição, o respectivo patrimônio líquido será transferido à outra pessoa jurídica qualificada nos termos da Lei 9.790/99, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social.

    Art. 30 – Na hipótese de uma pessoa jurídica perder a qualificação instituída pela Lei 9.790/99, o respectivo acervo patrimonial disponível, adquirido com recursos públicos durante o período em que perdurou aquela qualificação, será transferido à outra pessoa jurídica qualificada nos termos da mesma Lei, (Lei 9.790/99, inciso V do art. 4º), preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social e seja cadastradas nos Conselhos CNAS – Conselho Nacional de Assistência Social – CMAS – Conselho Municipal de Assistência Social.

    Capítulo V – DA PRESTAÇÃO DE CONTAS

    Art. 31 – A prestação de contas da Instituição observará no mínimo (Lei 9.790/99, inciso VII do art. 4º):
    I – os princípios fundamentais de contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade;
    II – a publicidade, por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade, incluindo as certidões negativas de débitos junto ao INSS e ao FGTS, colocando-os à disposição para o exame de qualquer cidadão;
    III – a realização de auditoria, inclusive por auditores externos independentes ser for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto de Termo de Parceria, conforme previsto em regulamento;
    IV – a prestação de contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos será feita, conforme determina o parágrafo único do Art. 70 da Constituição Federal.

    Capítulo VI – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

    Art. 32 – A (O) _________________(entidade) será dissolvida (o) por decisão da Assembléia Geral Extraordinária, Especialmente convocada para esse fim, quando se tornar impossível a continuação de suas atividades.

    Art. 33 – O presente Estatuto poderá ser reformado, a qualquer tempo, por decisão da maioria absoluta dos sócios, em Assembléia Geral especialmente convocada para esse fim, e entrará em vigor na data de seu registro em Cartório.

    Art. 34 – Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria e referendados pela Assembléia Geral.

    Petrolina-PE, 01 de setembro de 2009.

    Assinatura do Presidente
    Nome

    Assinatura dos Membros da Diretoria
    Nomes

    Assinatura e OAB do advogado
    Nome

  45. José Soares disse:

    Olá, Estou disposto a constituir uma ong,para capacitação de jovens e crianças com educação musical e informatica alem de assistencia social,Gostaria de saber se empresas tem finalidade de financiar este tipo de ong,já que podemos divulgar os seus nomes nas cmisetas dos alunos e nas capas dos livros e materiais didaticos.

  46. Eliane Seabra disse:

    bom dia, estou disposta a constituir uma ong, já temos um projeto não constitucional deste ano passado que trabalhamos com crianças e adolescentes da comunidade com dança, este ano vamos trabalhar com teatro,música e esforço escolares,cobramos uma pequena taxa as crianças mais gostariamos que fosse totalmente gratuito mais precisamos de patrocinadores pra pagar os professores, pois este projeto vem da igreja que é pequena e não tem quase membros.Se como igreja podemos abrir uma ong?temos cnpj, se caso tem que ter quantos crianças?

  47. Jackeline disse:

    Caro amigo,sou representante de uma creche e gostaria de montar um projeto para pedir doações junto a receita federal,de produtos apreendido. você pode me ajudar me enviando modelos de projetos, Atenciosamente Jackelne – londrina Pr.

  48. Jorge disse:

    Vamos fundar uma ONG que atuará na formação de Menores Aprendizes, e gostariamos de uma informação quanto à estruturação física da ONG, se é possível obter recursos para esse fim, para, posteriormente, buscarmos os parceiros que financiarão o projeto. Agradeço a sua atenção.

  49. MARIANE disse:

    Preciso de um auxilio na elaboração de tema da minha monografia na qual gostaria de saber se haveria a possibilidade de fazer um trabalho sobre captação de recursos para uma cooperativa de crédito e onde poderia explorar sobre esse tema na conclusão do curso de ciências contabeis.Agradeço sua atenção.

  50. Maria Lucia disse:

    Evelyne, bom dia muito interessante td que li, e aproveitando a oportunidade gostaria de solicitar uma orientação. Sou voluntaria em uma instituição sem fins lucrativos que recebe crianças em uma zona muito pobre. Estas crianças ficam lá no período que não estão na escola. Estão com dificuldades financeiras pois no momento não tem voluntáris e nem funcionarios para seguir o projeto, e com isto temos um problema de não podermos mais atender as crianças.Temos alguns sócios que contribuem para a Obra. Que tipo de projeto eu poderia fazer para estes sócios serem fiéis e os que deixaram de contribuir se fidelizar? e assim termos esta verba que ajudará a manter o projeto. Desde de já agradeço a orientação.

  51. Priscila disse:

    Temos um projeto que esta em andamento a mais de quatro anos ,porem não tem nenhuma formalidade o projeto començou com uma pessoa que não queria ver as crianças nas ruas começou a fazer passeios e hoje é referencia no bairro seria a tia Lú agora eu e a minha irmã estamos trabalhando como voluntaria neste projeto,mas eu gostaria de saber por onde devemos começar em relação a documentação da ONG até porque temos alguns parceiros mas temos o conhecimento e a falta de documentação nos trava em algumas coisas,sem contar que nos estudamos em uma universidade que oferece uma bolsa de 50 % para pessoas que prestam 8 horas de serviço voluntarios por semana e nós não temos o beneficio por falta de documentação também será poderia nos ajudar?

  52. [...] de iniciar o projeto, além da existência de um planejamento estratégico e/ou plano de captação, a organização deve ter claramente definida as necessidades e demandas que o projeto irá [...]

  53. Sou representante de uma ONG de Proteção à Criança e o Adolescente – no Brasil onde venho atra vés deste solicitar ajuda financeira para continuar com o projeto. Pois dependemos de doações para implementar e qualificar nossos jovens para o mercado de trabalho e consequentemente reintegrá-los a sociedade. A Instituição no momento ampara cerca de 300 jovens em situação desfavorável de uma realidade de preconceito social e falta de oportunidade, fazemos com dedicação e comprometimento a nossa parte e gostariamos de contar com a sua colaboração – ONG ABRACEM – BRASIL. – estamos na rua santa luzia setor nordeste lt 135 na cidade de formosa goias preciso construir este abrigo para estas crianças. e curso profissionalizantes para os jovens. Se necessário constatar a veracidade das informações; estamos a disposição.
    Aguardo resposta.
    ELCINA PEREIRA DE BRITO

  54. BEATRIZ MARINS disse:

    Gostaria de fazer um projeto para a juventude Rural de minha região norte do estado do Espirito Santo adquirir computadores para assim ter acesso a internet popular na minha comunidade.
    Queria o modelo de um projeto pra eu encaminhar para o governo estadual ou na qual vcs indicarem.
    Abraço companheiros!!!
    BEATRIZ DA SILVA MARINS- PJR (pastoral da juventude rural)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 77 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: